Sistema Eletrônico de Administração de Eventos - UERGS, VII Salão integrado de ensino, pesquisa e extensão, III Jornada de Pós-graduação e II Seminário sobre Territorialidade

Tamanho da fonte: 
O QUE UM BLOG QUER DIZER?: EXPERIÊNCIAS DE PROTAGONISMO/NARRATIVO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL – SÃO FRANCISCO DE PAULA/RS
Fernanda Schinaider, André Luiz Oliveira, Rosmarie Reinehr

Última alteração: 2017-08-22

Resumo


O presente projeto de ensino em andamento, originou-se das inserções na escola estadual parceira do Pibid-Pedagogia- AI/CAPES/UERGS, na cidade de São Francisco de Paula/RS. A faixa etária cujo trabalho se destina é constituída por estudantes do 2º Ano do Ensino Fundamental, com idades entre 7 e 10 anos, que encontram-se entre os níveis silábicos e alfabéticos no processo de alfabetização, ressaltando-se que a escola apresenta o menor IDEB nos Anos Iniciais, entre as escolas publicas do município. A partir das entradas semanais na turma, algumas questões emergiram durante o período de diagnóstico que antecedeu a organização dos projetos anuais, nos quais a proposta do Pibid se desenvolve no interior de cada uma das escolas conveniadas, destacando-se: Como associar os propósitos de uma temática ambiental em conjunção com os níveis do processo de aquisição de leitura e escrita verificados entre os alunos da turma? De que forma despertar o gosto pelo desenvolvimento da oralidade e da escrita, atendendo aos desafios colocados pela necessidade/desejo de transversalizar valores éticos e estéticos, em uma proposta que fugisse do tradicional “produção de textos, contação de histórias, desenhos, colagens”? O referencial teórico selecionado para fundamentar o projeto de trabalho “O que um Blog quer dizer?” estrutura-se a partir das literaturas que, além da perspectiva de uma apropriação crítica das tecnologias pelos professores e alunos, procuram estabelecer possibilidades da expressão e da criação com a utilização de meios audiovisuais. A primeira versão da proposta encontra-se em desenvolvimento a partir de metodologia colaborativa, no transcurso de 5 (cinco) encontros semanais, com o apoio da professora titular da turma. Através das avaliações preliminares percebeu-se que, através do protagonismo e narração de cenas criadas individual, ou coletivamente, de forma oral e escrita, é possível exercitar de formas múltiplas e críticas, a consciente integração com a comunidade, no desafio de observar, criticar, reconhecer e re-criar o ambiente natural no entorno escolar, com possibilidades de incorporação da comunidade local. Como conseqüência, o projeto assumiu a condição de piloto, no processo interativo de promover a criação de espaços reflexivos no âmbito do Pibi-SFP, envolvendo as demais escolas e projetos em andamento.