Sistema Eletrônico de Administração de Eventos - UERGS, VII Salão integrado de ensino, pesquisa e extensão, III Jornada de Pós-graduação e II Seminário sobre Territorialidade

Tamanho da fonte: 
AGRICULTURA FAMILIAR E O CONSUMO DE AGROTÓXICOS NO MUNICÍPIO DE CRISSIUMAL – RS
arthur bonatto abegg, Camila Alves Carvalho, Alisson Pretto Dapper, Fernanda Hart Weber, Divanilde Guerra, Guilherme Mörschbacher Gabriel, Barbara Estevão Clasen

Última alteração: 2017-10-05

Resumo


O modelo de produção agrícola atualmente utiliza grande quantidade de agrotóxicos, o que para muitos é sinônimo de alta produtividade nos mais diversos cultivos. Por outro lado, esse uso desenfreado de agrotóxicos pode ocasionar riscos e danos à saúde dos agricultores familiares e ao meio ambiente. Este trabalho teve como objetivo analisar o consumo de agrotóxicos pelos agricultores familiares do município de Crissiumal nos anos de 2013 a 2015. Foram verificadas as quantidades de agrotóxicos comercializados, além da identificação das formulações que podem causar intoxicação aos agricultores, bem como, os sintomas mais comuns de intoxicação nos agricultores após o uso desses produtos. Para tanto, realizou-se pesquisa bibliográfica e levantamento de dados nos estabelecimentos registrados para comercialização de agrotóxicos e também foram aplicados 34 questionários aos agricultores familiares, entrevistados em 9 localidades do município de Crissiumal. Como resultados constatou-se que no período avaliado a quantidade de agrotóxicos consumidos chegou a 370.626,83 l (litros) e 19.974,347 kg. Entre esses os agrotóxicos que mais causam preocupação em termos de saúde humana são os inseticidas organofosforados e carbamatos, os piretróides e os organoclorados, os fungicidas ditiocarbamatos e os herbicidas fenoxiacéticos (2,4 D), glifosato e paraquat (TRAPE, 2011). Ainda, 26% dos entrevistados usam agrotóxicos em hortas e pomares, o que compromete muito a segurança alimentar das famílias de agricultores e dos consumidores destes alimentos. 85% dos produtores afirmaram ter aumentado a cada ano o uso de agrotóxicos, 50% relataram ter se intoxicado, 35% relataram e existência de intoxicações em pessoas próximas e 41% dos intoxicados procuraram ajuda médico-hospitalar especializada. Segundo os próprios agricultores familiares,  os agrotóxicos que mais causaram intoxicações na região  foram identificados como: Aminol®, (2-4,D), classe I; Orthene®, (acefato), classe I, Folidol®, (parationa metílica), classe I, Landril®, (clorpirifós), classe IV, Prime Plus®, (flumetralina), classe I, nome popular a os produtores de Antibrotante do Fumo, e por último a Nicotina derivada da planta do fumo, que manuseada em condições atípicas de colheita, ou seja, com a planta úmida, molhada e calor, mormaço, causando intoxicação aos agricultores familiares Com esse trabalho concluiu-se  que o consumo de agrotóxicos aumenta a cada ano, que os agricultores familiares não estão conscientes das reais consequências do uso descontrolado, além de não utilizarem os EPI, independentemente da quantidade de agrotóxicos usados para produção de alimentos, e que a cada ano agrícola os problemas de saúde relacionados ao uso e ao consumo de alimentos contaminados por agrotóxicos vem aumentando consideravelmente em todo o Município de Crissiumal.


Palavras-chave


Agroecologia, Contaminação Ambiental, Intoxicação e Insegurança Alimentar.