Sistema Eletrônico de Administração de Eventos - UERGS, VII Salão integrado de ensino, pesquisa e extensão, III Jornada de Pós-graduação e II Seminário sobre Territorialidade

Tamanho da fonte: 
EDUCAÇÃO INTEGRAL E PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO: NOVOS ARRANJOS, NOVAS CONFIGURAÇÕES
Caroline Rodrigues da Silva, Rochele da Silva Santaiana

Última alteração: 2017-07-17

Resumo


EDUCAÇÃO INTEGRAL E PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO: NOVOS ARRANJOS, NOVAS CONFIGURAÇÕES

Caroline Rodrigues da SILVA¹; Rochele da Silva SANTAIANA².

1.Acadêmica do curso de Pedagogia. Unidade de Alegrete. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS); 2. Professora orientadora. Unidade de Alegrete. UERGS.

E-mails: carol.recostar@gmail.com; rochele-santaiana@uergs.edu.br.

O presente trabalho procura estudar o Programa Mais Educação implementado no ano de 2007 face suas novas reconfigurações no corrente ano. Tal programa, trouxe discussões acerca da Educação Integral no país, por meio das intervenções ampliando a jornada escolar. Pensar em formação integral implica repensar o tempo, qualidade, e quais atividades serão propostas aos alunos o que irá justificar sua maior permanência no espaço escolar. A ampliação da jornada escolar implantada através da criação do Programa Mais Educação em 2007, foi um indutor de processo de mudança educacional visando a Educação Integral, alcançou certo número de brasileiros, sendo perceptível a construção e desconstrução das concepções sobre a formação dos sujeitos. A pesquisa teve como objetivo geral analisar os discursos relacionados a jornada ampliada e o Programa Mais Educação, relacionando com o novo formato implementado. A investigação se justifica pela necessidade de discutir sobre a expansão da jornada ampliada que foi fomentada por meio do programa federal Mais Educação instituído pela Portaria Interministerial nº 17/2007. Ele reiniciou suas atividades em 2017 reformulado com um novo contorno, o Novo Mais Educação criado pela Portaria MEC nº 1.144/2016 e regido pela Resolução FNDE nº 5/2016 que está calcado na alfabetização, letramento e numeramento. Metodologicamente a pesquisa se ampara no referencial pós-estruturalista e nas teorizações de Michel Foucault, aproveitando as conceituações de governamentalidade e dispositivo, dando sustentação teórica a pesquisa, sobre instrumentos metodológicos a pesquisa se desenvolve por meio de uma análise documental, observações in loco como estratégia de compreensão do novo formato do programa federal.  Foram realizadas entrevistas semiestruturadas e utilização de diário de campo, com propósito de analisar discursos e práticas. Análises parciais apontam o forte assento em práticas de investimento na alfabetização, português e matemática, o que segue um alinhamento das políticas educacionais e avaliativas. Conclui-se também que ainda existe dificuldades em entender os usos dos tempos de formação integral dos alunos na escola.

Palavras-chave: Programa Mais Educação. Programa Novo Mais Educação. Educação Integral.


Palavras-chave


Programa Mais Educação. Programa Novo Mais Educação. Educação Integral.