Sistema Eletrônico de Administração de Eventos - UERGS, VII Salão integrado de ensino, pesquisa e extensão, III Jornada de Pós-graduação e II Seminário sobre Territorialidade

Tamanho da fonte: 
ANÁLISE PALINOLÓGICA DO PERFIL SEDIMENTAR T2 - MINA MODELO, PROVENIENTE DE AMETISTA DO SUL (RS): RESULTADOS PRELIMINARES DO ESTUDO DA SUCESSÃO VEGETACIONAL DA ÁREA.
Hediane Caroline Posselt, Henrique Alves de Brito, Bruna Zambrano dos Santos, Gabrielli Teresa Gadens Marcon

Última alteração: 2017-08-24

Resumo


A matéria orgânica conservada em depósitos de ambientes continentais constitui-se num excelente arquivo de mudanças nas condições deposicionais, ambientais, ecológicas e climáticas regionais, sendo a análise palinológica uma ferramenta poderosa para acessar esse registro. O presente trabalho integra uma série de estudos paleontológicos que vem sendo realizada na região do Distrito Mineiro de Ametista do Sul (RS) desde o ano de 2010, na qual foram utilizados vários métodos análise de dados. Com o objetivo de dar prosseguimento a estes estudos foi realizada uma análise palinológica no perfil sedimentar T2 – Mina Modelo (de 80 cm de profundidade), datado em cerca de 9.500 anos (Laboratório Beta Analytic, EUA). O processamento químico das amostras foi efetuado de acordo com os procedimentos palinológicos não-oxidativos usualmente aplicados na confecção de lâminas organopalinológicas. A análise de palinofácies revelou um amplo domínio do Grupo Fitoclasto (62%), seguido pelo Grupo dos Palinomorfos (30%) e pelo Grupo Produto Amorfo (8%). Verificou-se que os teores de COT (carbono orgânico total) e ST (enxofre total) são bastante baixos nas camadas estudadas. Os resultados palinológicos preliminares permitem inferir que a vegetação no local evoluiu em paralelo com a disponibilidade hídrica do lago raso amostrado, onde os níveis de água foram estimados pela presença de elementos algáceos, como Botryococcus, por exemplo. Foi possível observar que, nas camadas mais basais do perfil sedimentar, há presença considerável dos gêneros Phaeoceros, Osmunda e Ludwigia, e da família Cyperaceae, elementos característicos de ambientes úmidos, brejosos ou alagadiços. Um aumento expressivo na presença de pteridófitas das famílias Polypodiaceae (Microgramma, Pecluma e Polypodium) e Blechnaceae (Blechnum e B. imperiale) ocorre naqueles intervalos em que o nível de umidade aumenta e permanece expressivo nos intervalos subsequentes, quando a umidade local diminui. Com base nos dados levantados foi possível concluir que as oscilações nos padrões de umidade foram descontinuos em alguns períodos, havendo uma tendência geral à substituição de espécies características de ambientes úmidos por espécies mais resistentes a ambientes secos. Estes dados palinológicos corroboram os resultados dos estudos paleoclimáticos previamente realizados, os quais indicam que, nos intervalos finais do perfil sedimentar analisado, houve uma significativa redução da pluviosidade local.


Palavras-chave


Palinologia; Palinomorfos; Mina Modelo; Paleoambiente. Paleoecologia.