Sistema Eletrônico de Administração de Eventos - UERGS, V Salão Integrado de Ensino, Pesquisa e Extensão & Ia Jornada de Pós-graduação da UERGS

Tamanho da fonte: 
LEVANTAMENTO DA FERTILIDADE DO SOLO NA ÁREA EXPERIMENTAL DA UERGS EM SANTANA DO LIVRAMENTO
Nathália Joughard POZZEBON, Fernando Dutra DELLA PACE, Eder DAMBROS, Gustavo Kruger GONÇALVES

Prédio: Prédio Principal
Sala: SALA 6
Data: 2015-09-24 02:30 PM – 02:45 PM
Última alteração: 2015-09-06

Resumo


A avaliação da fertilidade do solo é essencial para implantação de experimentos e aulas práticas relacionadas às principais atividades agrícolas de um município. Existem vários métodos de avaliação da fertilidade do solo, destacando-se a análise química do solo. Em função do exposto, este trabalho objetivou avaliar a fertilidade do solo na área experimental da UERGS em Santana do Livramento. Foram coletadas amostras de solo na profundidade de 0-20cm em cinco glebas homogêneas e analisadas no laboratório de fertilidade do solo. Posteriormente, foram obtidos os parâmetros estatísticos da fertilidade do solo das glebas. Além disso, para cada uma das glebas avaliadas foram estabelecidas as classes de fertilidade dos nutrientes disponíveis no solo utilizando-se os seguintes parâmetros: classe de solo quanto à argila, matéria orgânica, macronutrientes, micronutrientes, CTC pH 7,0 e saturação por alumínio.  Os resultados demonstraram que houve variação acima da recomendada (CV >10%) para todos os parâmetros avaliados. Isso demonstra que mesmo em áreas pequenas, existe uma variabilidade química do solo. Em função desta variabilidade existente na área experimental, foram realizadas e interpretadas as análises de solo de cada gleba. Em relação a classe textural, as glebas 1 e 2 se enquadraram na classe 3, enquanto as demais glebas se enquadraram na classe 4. A matéria orgânica apresentou teor baixo em todas as glebas. O fósforo disponível apresentou teor muito baixo em todas as glebas. O potássio, magnésio e boro disponível apresentaram teor alto nas glebas 1 e 2 e teor médio nas demais glebas. O cálcio disponível e a CTC pH 7 apresentaram teor médio nas glebas 1 e 2 e teor baixo nas demais glebas. O cobre, zinco, manganês e ferro disponível apresentaram teor alto em todas as glebas. A saturação de alumínio apresentou teor baixo nas glebas 1 e 2 e teor alto nas demais glebas. Em função dos resultados apresentados, conclui-se que: a) existe variabilidade química entre as glebas avaliadas; b) glebas 1 e 2 estão com fertilidade melhor do que as glebas 2, 4 e 5, c)  a matéria orgânica e o teor de fósforo no solo são as principais deficiências em todas as glebas.

Palavras-chave


amostragem, variabilidade química, macronutrientes, micronutrientes