Sistema Eletrônico de Administração de Eventos - UERGS, V Salão Integrado de Ensino, Pesquisa e Extensão & Ia Jornada de Pós-graduação da UERGS

Tamanho da fonte: 
DIAGNÓSTICO DE ASPECTOS AMBIENTAIS RELACIONADOS À SUINOCULTURA NO MUNICÍPIO DE ENCANTADO-RS
Thaís BENINCÁ, Sabrina CAXAMBU, Michely FONTANA, Camila CAPPELLARI, Voltaire SANT’ANNA, Leonardo BEROLDT, Elaine BIONDO

Prédio: Prédio Principal
Sala: SALA 6
Data: 2015-09-23 02:15 PM – 02:30 PM
Última alteração: 2015-09-06

Resumo


A suinocultura é atividade primária importante na região do Vale do Taquari, gerando emprego e renda para a agricultura familiar e indústria. Segundo a legislação ambiental vigente, é considerada uma atividade de grande potencial poluidor, pelo alto volume de dejetos gerados, os quais quando não tratados adequadamente, causam sérios danos ambientais podendo contaminar o solo e atingir o lençol freático. Com isso, o objetivo do trabalho foi realizar um levantamento de dados sobre aspectos ambientais relacionados as granjas produtoras de suínos no município de Encantado, RS.  A metodologia foi a aplicação de entrevistas estruturadas a produtores de suínos no município de Encantado, com o intuito de diagnosticar aspectos ambientais da produção, para posterior discussão de alternativas para a solução deste problema. As entrevistas foram aplicadas durante o período de maio a julho de 2015 a dez produtores de suínos em terminação no município de Encantado, Rio Grande do Sul. Com base nos resultados pode-se constatar que as granjas são de pequeno, médio e grande porte, com 250 a 2.500 cabeças suíno por lote. A alimentação dos animais em 70% das granjas é automatizado, as refeições não são controladas, portanto os animais alimentam-se quando sentem fome, aumentando o volume de dejetos produzidos. Apenas 20% dos produtores possuem hidrômetro e estrumeiras cobertas em suas propriedades, revelando pouca preocupação e controle da água utilizada para a higienização e consumida pelos animais. Os dejetos são utilizados como biofertilizante em lavouras e pastagens, os quais são mantidos em estrumeiras ou lagoas de estabilização por 15 a 120 dias. Segundo a Resolução 102 de 2005, uma das diretrizes é manter os dejetos por 120 dias em estrumeiras, o que nem sempre é cumprido, devido principalmente ao volume gerado e menor dimensão das estrumeiras, que não comporta o que é produzido diariamente. Como considerações finais pode-se perceber que o controle da água revelou-se um ponto fraco das granjas, já que a maioria delas não possui hidrômetro para o controle da água da limpeza das baias, bebedouros e das chuvas. A capacidade das estrumeiras é outro ponto crítico na atividade produtiva. Sugere-se ações de conscientização dos produtores.


Palavras-chave


Suinocultura. dejetos de suínos. Vale do Taquari.