Sistema Eletrônico de Administração de Eventos - UERGS, V Salão Integrado de Ensino, Pesquisa e Extensão & Ia Jornada de Pós-graduação da UERGS

Tamanho da fonte: 
PROMOÇÃO DE CRESCIMENTO DE TOMATEIRO POR Bradyrhizobium japonicum
Gisele Carvalho RICHA, Benjamin Dias OSÓRIO FILHO

Prédio: Prédio Principal
Sala: SALA 7
Data: 2015-09-25 08:30 AM – 08:45 AM
Última alteração: 2015-09-06

Resumo


Pertencente à família Solanaceae, o tomate (Lycopersicon esculentum Mill), ocupa lugar de destaque na horticultura brasileira, com área plantada de aproximadamente 54.000 ha em todo o território nacional.  Considerado um alimento rico em licopeno, uma substância que dá cor ao fruto, ele é um poderoso antioxidante que combate os radicais livres, e pode proteger contra o câncer, inclusive o de próstata. A bactéria Bradyrhizobium japonicum, do grupo dos rizóbios, é amplamente utilizada para inoculação de sementes de soja, substituindo a adubação nitrogenada. Os rizóbios associam-se com as raízes das plantas das leguminosas, realizando a fixação simbiótica de nitrogênio atmosférico. O presente projeto, estuda, a inoculação do isolado de rizóbio UFRGS-Lc336, da espécie Bradyrhizobium japonicum, em tomate, variedade Absoluto. Foram realizados 2 experimentos na casa de vegetação da Fepagro Florestas em Santa Maria/RS, com delineamento inteiramente casualizado, com 3 repetições, sendo um tratamento com o isolado, e o outro testemunha, com aplicação de caldo de crescimento esterilizado. Foi realizada a semeadura em vasos, sendo que no primeiro experimento utilizou-se 925g de solo, e as plantas foram retiradas dos vasos, aos 53 dias após a emergência, e medidas quanto ao comprimento da parte aérea e da raiz. No segundo experimento, os vasos continham 7,750kg de solo e, as plantas foram conduzidas até o final do ciclo, para avaliar a produção de frutos. A inoculação com a Bradyrhizobium japonicum UFRGS-Lc336, na variedade Absoluto, estimulou o crescimento da planta, incremento na massa seca da parte aérea e da raiz, na massa seca total e no volume radicular. O tomate não é uma leguminosa, e, portanto, não é capaz de desenvolver nódulos, nem obter nitrogênio diretamente da fixação de nitrogênio pelos rizóbios. Entretanto, estas bactérias promovem o crescimento de não leguminosas via outros mecanismos, principalmente produção de fito hormônios. Percebe-se um grande potencial deste isolado, em promover o crescimento de tomateiro e aponta-se a necessidade de mais estudos sobre este tema.


Palavras-chave


Tomate. Rizóbios. Inoculação.