Sistema Eletrônico de Administração de Eventos - UERGS, VI Salão Integrado de Ensino, Pesquisa e Extensão & IIa Jornada de Pós-graduação da UERGS (ISSN: 2448-0010)

Tamanho da fonte: 
USO DO PÓ DE BASALTO NA PRODUÇÃO DE MILHO PIPOCA CRIOULO NA REGIÃO NOROESTE DO RS
Thaniel Carlson WRITZL, Giovani LINASSI, Darlan Weber da SILVA, Daiane GRELLMANN, Eduardo CANEPELLE, Marciel REDIN

Última alteração: 2016-09-27

Resumo


Atualmente, existe uma grande preocupação por pesquisas dentro de propostas que dão prioridade a produção agrícola de modelo sustentável baseadas no manejo ecológico do solo através de práticas agrícolas adequadas e uso de insumos produtivos naturais. Nesse contexto, surge o pó de basalto entre os insumos alternativos naturais em substituição aos fertilizantes minerais solúveis. Assim, o presente projeto tem por objetivo avaliar a eficiência do pó de basalto na produtividade do milho pipoca crioulo em sistema de transição agroecológica. O experimento com parcelas de 6 m2 (2 x 3 m) será conduzido em condições de campo na área experimental da ETEC, em Bom Progresso, RS. A instalação do experimento será em delineamento experimental em blocos casualizados com quatro repetições. O milho pipoca crioulo será semeado manualmente com espaçamento de 75 cm entre as linhas. Serão avaliados os seguintes tratamentos: 1) milho pipoca crioulo + pó de basalto; 2) milho pipoca crioulo + cama de ave; 3) milho pipoca crioulo + pó de basalto + cama de ave; 4) milho pipoca crioulo + adubação química; e 5) milho pipoca crioulo (testemunha). A dose de pó de basalto será de 5.000 kg/ha aplicado em dose única em superfície do solo no momento da semeadura do milho pipoca crioulo. As doses da adubação química e da cama de ave que serão utilizados na semeadura e de cobertura no milho pipoca crioulo serão de acordo com a análise de solo. O crescimento das plantas de milho pipoca crioulo serão quinzenalmente monitoradas através de parâmetros morfológicos até o estágio de pleno florescimento das plantas: estatura das plantas, número de folhas e diâmetro médio dos colmos. Na colheita será quantificado o número de fileiras e de grãos por espigas e a produtividade de grãos. Será realizada a avaliação do valor nutricional físico-química dos grãos do milho pipoca crioulo. Com o presente projeto espera-se contribuir para o melhor entendimento do uso de pó de basalto como fertilizante natural para produção de alimentos no atual processo de transição da agricultura tradicional para um modelo de agricultura sustentável e valorização do meio ambiente.

Palavras-chave


Pó de Rocha; Fertilizantes Naturais; Transição Agroecológica; Rochagem.