Sistema Eletrônico de Administração de Eventos - UERGS, VI Salão Integrado de Ensino, Pesquisa e Extensão & IIa Jornada de Pós-graduação da UERGS (ISSN: 2448-0010)

Tamanho da fonte: 
PANORAMA DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM GADO LEITEIRO NA FRONTEIRA OESTE DO RIO GRANDE DO SUL
Alessandra Machado MARTINS, Sinara Prado DA ROSA, Vânia Oliveira DA CUNHA, Leonardo De Melo MENEZES

Última alteração: 2016-08-30

Resumo


Este estudo teve como objetivo identificar características acerca do uso da inseminação artificial (IA) em bovinos leiteiros criados na fronteira oeste do Rio Grande do Sul. Através de uma pesquisa de campo no município de Santana do Livramento, foram elaboradas e aplicadas 11 questões abertas para 26 produtores. As questões utilizadas versaram sobre a utilização ou não da tecnologia, raças utilizadas, área utilizada para a atividade, número de animais em lactação, tempo na atividade, dificuldades percebidas e importância dada a inseminação artificial. De acordo com o presente estudo, a maioria dos pesquisados (53,84%) fazem uso da IA e reconhecem que este método proporciona o melhoramento genético e a padronização de seu rebanho; identificam que a vaca inseminada produz mais leite com mais qualidade, além da diminuição de doenças e acidentes geralmente causados no momento da cobertura pelo touro. Dos produtores pesquisados, 34,62% (9 produtores) afirmaram que já utilizaram a técnica, mas atualmente optam pela utilização da monta natural. Estes afirmaram que a baixa escala de produção (poucos animais em lactação) inviabiliza a IA pelo alto custo financeiro, bem como pelo alto número de retornos ao cio obtidos, o que nos permite inferir que a falta de treinamento para detecção de cio ou a execução da técnica poderiam ser alguns entraves limitantes nesta região. Ainda, 11,54% (3 produtores pesquisados) nunca utilizaram este método, por considerarem a utilização do touro mais fácil (manejo). Em relação ao material genético utilizado, 100% dos produtores que inseminam seus animais utilizam sêmen de Holandês, e 42,3% (11 produtores) trabalham com a raça Jersey. Ainda nesse sentido, 35% (5 produtores) afirmaram que utilizam sêmen de bovinos de corte, para produção de animais que não serão destinados a produção de leite, mas para “consumo”. Conclui-se que o produtor em maneira geral reconhece as vantagens e benefícios existentes na utilização de inseminação artificial em bovinos leiteiros; ainda, que os principais limitantes para a utilização desta técnica são o custo, qualidade da mão de obra envolvida e tamanho das propriedades e do pequeno número de animais em lactação, que inviabiliza o investimento inicial nesta tecnologia.

Palavras-chave: Inseminação artificial. Melhoramento genético. Tecnologia.


Palavras-chave


Inseminação artificial; Melhoramento genético; Tecnologia.