Sistema Eletrônico de Administração de Eventos - UERGS, VI Salão Integrado de Ensino, Pesquisa e Extensão & IIa Jornada de Pós-graduação da UERGS (ISSN: 2448-0010)

Tamanho da fonte: 
Michel Foucault na pesquisa em Educação
Alfredo VEIGA NETO, Tatiana Luiza RECH

Última alteração: 2016-10-03

Resumo


Michel Foucault na pesquisa em Educação *

Alfredo Veiga-Neto (PPG-Educação/UFRGS) **

Tatiana Luiza Rech (UERGS) ***

 

A entrada do pensamento de Michel Foucault na pesquisa educacional aconteceu principalmente nos países de língua inglesa ― como a Inglaterra, os Estados Unidos e a Austrália ―, a partir dos seus estudos genealógicos sobre os processos de disciplinarização e normalização que acontecem nas instituições modernas de sequestro: a prisão, a escola, o hospital, a fábrica etc. Assim, foi em Vigiar e Punir que, já no final da década de 1970, um pequeno grupo de investigadores buscou os insights para analisar e problematizar as práticas pedagógicas como práticas de poder e de subjetivação envolvidas na constituição do sujeito moderno. Logo em seguida, foi a arqueologia foucaultiana que contribuiu para estudos acerca das políticas educacionais. E, mais recentemente, muitos têm se valido das “tecnologias do eu” estudadas por Foucault para aprofundar as investigações acerca da moral e da ética envolvidas nas práticas escolares.

No Brasil, a presença mais sistemática dos Estudos Foucaultianos na pesquisa em Educação começou no final dos anos oitenta e, desde então, não parou de crescer, tanto em termos quantitativos quanto em termos qualitativos. Tendo-se sempre o cuidado de não fazer de Michel Foucault pau-para-toda-obra, vale muito a pena compreender o quanto seu pensamento tem sido interessante e importante para compreensões mais refinadas e atualizadas sobre o papel educacional da escola, da mídia e dos artefatos culturais em geral.


Palavras-chave


Educação; Foucault;