Sistema Eletrônico de Administração de Eventos - UERGS, X Seminário Brasileiro sobre Pequenas Frutas

Tamanho da fonte: 
Suscetibilidade a doenças fúngicas de genótipos de morangueiro cultivados no Planalto Norte Catarinense
Douglas Andre Wurz, Maria Solange Alves, Antônio Felippe Fagherazzi, Leo Rufato, Valdevina Alves

Última alteração: 2019-06-28

Resumo


A disponibilidade de poucos cultivares oferecidas aos produtores brasileiros, e a utilização intensiva de apenas uma ou duas cultivares de morangueiro em uma propriedade rural, faz com que uma série de problemas possam surgir ao produtor havendo necessidade de avaliar o potencial de cultivo de novos genótipos de morangueiro em novos pólos produtivos, sendo uma importante avaliação da adaptação de novos genótipos a suscetibilidade de doenças fúngicas. Nesse contexto, tem-se como objetivo deste trabalho avaliar a suscetibilidade a doenças fúngicas de novos genótipos com potencial de cultivo no Planalto Norte Catarinense. O experimento foi realizado na área experimental do Instituto Federal de Santa Catarina – Campus de Canoinhas/SC. Foram utilizadas plantas de cultivares e seleções Italianas, sendo estas: Pircinque, Jonica, FRF LAM 269.18, FRF PA 109.2 e FRF 104.1 e cultivares já tradicionalmente cultivadas no Brasil a Albion e San Andreas. Avaliou-se a incidência de doenças fúngicas de frutos: antracnose e podridão de frutos, e avaliou-se a incidência e a severidade de doenças fúngicas foliares: micosferela e oídio. Quinzenalmente foram avaliados nas folhas do morangueiro a incidência e severidade da micosferela e oídio e no momento da colheita foram quantificados a presença antracnose e podridão nos frutos.  O delineamento experimental utilizado foi o de blocos ao acaso com 3 blocos e 15 plantas por bloco. Os dados foram submetidos à análise de variância (ANOVA) e as médias comparadas pelo teste de Scott Knott a 5% de probabilidade de erro. As cultivares avaliadas apresentam suscetibilidade a ocorrência de micosferela, podridão de fruto e antracnose de frutos, contudo, ressalta-se que não observou-se diferenças estatisticamente significativas entre elas. As cultivares FRF LAM 269.18, FRF 104.1 e Albion apresentam suscetibilidade a Oídio, sendo observados nas folhas a ocorrência dessas doença

Texto completo: PDF