Sistema Eletrônico de Administração de Eventos - UERGS, X Seminário Brasileiro sobre Pequenas Frutas

Tamanho da fonte: 
Bioatividade de óleos essenciais e extratos de plantas no controle de Botrytis cinerea isolado de morango
LEONARDO REGINA DE ALEXANDRE, RAFAEL DEINANI PEGORINI, MARCIA REGINA PANSERA, VALDIRENE CAMATTI SARTORI, MURILO CESAR DOS SANTOS

Última alteração: 2019-07-17

Resumo


A produção de morangos se expande a cada ano, predominando o cultivo em pequenas propriedades rurais, com a mão-de-obra familiar. Devido à suscetibilidade das principais cultivares plantadas a diversas doenças e pragas tem sido praticado o uso intensivo, de agrotóxicos na cultura do morangueiro e uma das doenças fúngicas que destaca-se por acometer o morango desde o campo até a pós-colheita é o Mofo Cinzento, causado pelo fitopatógeno Botrytis cinerea. Deste modo, objetivou-se estudar, in vitro, o efeito dos óleos essenciais das plantas Cymbopogom citratus e Foeniculum vulgare e os extratos fermentados das plantas Aloysia citriodora, Ipomoea batatas L., Ilex paraguariensis, Capsicum sp., Pereskia aculeata, Conysa bonariensis, Pothomorphe umbellata e Schinus terebinthifolius como alternativa de controle deste agente comparando com o fungicida Iprodiona. Os óleos essenciais foram diluídos nas concentrações de 0,01; 0,05; 0,10; 0,15 e 0,20% e a testemunha incorporado ao meio de cultura BDA.  O extrato fermentado foi filtrado e incorporado ao meio BDA, nas concentrações 10, 20 e 40%. As placas foram mantidas em BOD, por 14 dias, à temperatura de 26ºC e fotoperíodo de 12 horas. As avaliações do crescimento micelial foram realizadas nos 3º, 7º e 14º dias. Os dados foram submetidas a análise de variância e as médias comparadas pelo teste de Scott-Knott a 5% de probabilidade Os testes realizados, demonstraram que o óleo essencial de C. citratus e F vulgare inibiram o crescimento micelial do fitopatógeno em 90%. Os extratos fermentados não inibiram o crescimento micelial do B. cinerea.


Texto completo: PDF